Sábado, 19 de Dezembro de 2009

Níveis de Comunicação

O Dr. Pedro Machado pediu para respondermos a um questionário.

 

Deixo aqui as minhas respostas:

 

 

Dentro dos Níveis de Comunicação diga qual, ou quais, na sua opinião condicionam mais a prática docente?
 
Eu estive a pesquisar na «Internet» e encontrei a resposta de um ex-aluno de TIC do Instituto Piaget e não posso estar em maior desacordo. Este aluno escreveu e passo a citar:
“Nenhum nível condiciona a pratica docente porque os quatro níveis ou contextos de comunicação não podem estar separados. Como afirma o autor Stephen Littlejonh, devemos "olhar para eles como uma hierarquia de contextos ajustados uns aos outros, em que o nível superior inclui o inferior mas acrescenta algumas características e qualidades adicionais". Assim na perspectiva do autor há uma interrelacionalidade dos quatro contextos ou níveis de comunicação.”
Eu considero que uma comunicação autêntica, eficaz e satisfatória é aquela que se assenta sobre um esquema de relações simétricas, numa paridade de condições entre emissor e receptor, na possibilidade de ouvir o outro e ser ouvido, como possibilidade mútua de entender-se. Pelo contrário os meios de comunicação de massa são sistemas de comunicação num único sentido. Esta característica distingue-os da comunicação pessoal, na qual o comunicador conta com imediato e contínuo feedback da audiência. Pelo seguinte, para mim a comunicação de massa é que condiciona mais a prática docente. Um docente para ensinar e transmitir conhecimento (e não informação) tem de comunicar de forma eficaz, interagindo com os seus alunos e ajustando as metodologias de comunicação em função dos resultados alcançados. A comunicação de massa é, portanto, o «acto comunicativo» que menos se ajusta à prática docente.
Falando da minha experiência pessoal e profissional no Instituto Piaget, posso exemplificar com a reserva demonstrada por muitos docentes pela passagem de diversas unidades curriculares que estavam em regime presencial para regime não presencial (e-learning). A grande preocupação dos docentes (onde me incluo) é que a falta de contacto visual, físico , a falta de feedback imediato, e a dificuldade em criar um canal de comunicação eficaz, leve a que seja utilizada uma comunicação de massa, com poucos resultados alcançados ao nível da aquisição de conhecimentos e competências
Aliás alguns teóricos dos mídia afirmam que aquilo que obtemos mediante os meios de comunicação de massa não é comunicação, pois esta é via de dois sentidos e, por tanto, tais meios deveriam ser denominados veículos de massa.
 
O nível de comunicação interpessoal caracteriza-se essencialmente pelos seus axiomas. Justifique a importância dos axiomas.
 
É impossível não comunicar
Todo o nosso comportamento é comunicação e até mesmo quando estamos em silêncio comunicamos. A não comunicação não existe.
 
Toda a comunicação tem 2 níveis: conteúdo e relação
Quando comunicamos transmitimos informação sobre factos, emitimos opiniões, mostramos sentimentos e experiências.   ←        conteúdo
Quando comunicamos exprimimos, directa ou indirectamente, algo sobre os interlocutores (emissor e receptor) ←            relação
 
 
 
 
 
 

Como o conteúdo está interligado à relação, pode não haver distinção entre conteúdo e relação, discutindo-se o conteúdo quando se pretende definir a relação. Quando isto acontece estamos perante distorções comunicacionais.

 

A natureza de uma relação está na contingência da pontuação das sequências comunicativas entre os comunicadores
Série de comunicações = sequência ininterrupta de trocas.
As pessoas pontuam os acontecimentos de acordo com o seu ponto de vista, levando a interpretações diferentes entre o emissor e o receptor.
 
 
É fundamental que a pontuação organize os eventos comportamentais já que é importante para o desenvolvimento das interacções em curso, de que é exemplo o seguinte diálogo: «Eu retraio-me porque tu implicas» e «Eu implico porque tu te retrais».
 
 
Existem dois tipos de comunicação: digital e analógico
Quando utilizamos a linguagem verbal estamos perante a comunicação digital e quando utilizamos a linguagem não verbal (postura, gestos, expressão facial, inflexão de voz, sequência, ritmo e cadências das próprias palavras, …) estamos perante uma comunicação analógica. Podemos, então, afirmar que a comunicação digital é mais objectiva, mais precisa, mais complexa e a analógica é mais ambígua, subjectiva. Na comunicação digital é importante o código utilizado, enquanto que na analógica a questão afectiva toma relevância na comunicação.
O cartoon abaixo exemplifica de forma clara os dois tipos:
 
 
Todas as permutas comunicacionais ou são simétricas ou complementares, conforme se baseiam na igualdade ou na diferença
Este último axioma refere-nos que as permutas comunicacionais são simétricas quando os dois comunicadores se comportam de modo semelhante, em que as diferenças entre comunicadores são minimizadas e são complementares quando as diferenças são maximizadas.
Uma interacção complementar existe quando um participante ocupa uma posição superior e o outro uma posição inferior. Este posicionamento não leva à partida a uma comunicação má. Quando esta interacção leva à submissão e subjugação do outro é que podemos considerar que a permuta comunicacional não é a ideal.
 
 
 
Do lado contrário numa situação de comunicação simétrica podemos levar ao desenvolvimento de uma situação competitiva extrema.
 
Como docente, considero que deve existir um equilíbrio para comunicarmos de forma eficaz com os nossos estudantes.
Segundo Watzlawick, existem 5 axiomas na sua teoria da comunicação entre dois indíviduos. Se um destes axiomas não for considerado pelo comunicador, que procura uma comunicação eficaz, a comunicação pode falhar. Porquê?
Considero que a comunicação não falha, porque no momento em que comunicamos os axiomas estão sempre patentes, independentemente do(s) contexto(s) e circunstâncias de comunicação.
no wikipedia temos a seguinte definição de axioma:
 
"Um axioma é uma sentença ou proposição que não é provada ou demonstrada e é considerada como óbvia ou como um consenso inicial necessário para a construção ou aceitação de uma teoria. Por essa razão, é aceito como verdade e serve como ponto inicial para dedução e inferências de outras verdades (dependentes de teoria)."
 
Podemos dizer que estes cinco axiomas são parte integrante da comunicação. O que é importante é que o comunicador, e em particular eu como docente, deve ter consciência dos mesmos e de como «adaptar a sua prática comunicativa» ao contexto em que está».
 
A comunicação de massas é um tema muito debatido na sociedade actual, principalmente pelas influências que gera nos públicos mais jovens. Comente a importância deste nível (massas) para a prática docente.
A comunicação de massas é o modo particular da comunicação moderna que permite que o autor da mensagem dirige-se simultaneamnete a um grande número de destinatários.
As críticas sobre a influência de meios, tais como a televisão, têm sobre a cultura e conhecimento do público, leva-nos a supor que este tipo de comunicação leva a um «cultura de massas». Eu considero que é um exagero e que se mistura todo um conjunto de conceitos. O facto é que a comunicação de massas é um tipo de comunicação e que como qualquer um terá virtudes e desvirtudes.
Não haverá dúvida que a comunicação de massas levou o conhecimento a um maior número de pessoas, como nunca tinha sido possível até então. Â questão que podemos colocar é: Como é interpretada pelo receptor a informação que recebe e será que ela se transforma em conhecimento? Mas esta questão é válida em todos os tipos de comunicação.
E eu como é que vejo a comunicação de massas no contexto educativo? por um lado os meus estudantes receberam ao longo das sua vida todo um conjunto de informaçoes/conhecimentos por diversos meios. Não tenho dúvidas que um estudante que esteja em contacto permanente com televisão, rádio, cinema e imprensa vem com uma cultura geral que não a teria se estes meios não existisse. Será que esta «cultura» tem repercussões na homogeneização do pensamento dos alunos, tornando-os muito idênticos na forma de pensar, agir e ver o mundo que os envolve? não me parece e não parece que deve ser a minha preocupação como docente. Para nós docentes deverá ser importante é como fazemos uso de todos estes meios fantásticos que temos à nossa disposição e que nos podem facilitar no nosso fim, que é transmitir conhecimento e contribuirmos para transformar os nossos estudantes em pessoas pensantes, críticas e produtivas.
 
Tenho dito.
 

 


publicado por asilva às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28


.posts recentes

. Trabalho final: utopia da...

. Modelos de Comunicação

. Níveis de Comunicação

. Historia da comunicação

. O meu primeiro filme em F...

. O Ruído na comunicação

. Redundância versus entrop...

. Ruído versus redundância

. Informação versus comunic...

. Entropia, ruído, redundân...

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

.We Are The Champion - Queen

blogs SAPO

.subscrever feeds